The Little Things

que fazem uma caixinha de surpresas

twitter.com/rashelrainho:

    Um “Era uma vez” não tão poetizado

    Se o “Era uma vez” é tão encantado como dizem, essa bola de fogo que atravessa a doçura férrica complementa mais uma ferida a se desembuchar pelo olhar enegrecido. A realidade se torna uma película clara de que cada conto de fadas derrocado provem de um toque contido a uma gota de venoso ardilosamente profetizado pelo mau gosto e enganos. A artimanha é implantada através de um cúmplice, que, aos olhos de todos, é amável, porém não passa de um carrasco metido a besta, ou seja, a um príncipe fajuto. E a cada conto de fada derrocado por um traiçoeiro, o encantamento desaparece na plenitude das podrecidas energias etéreas. O “Era uma vez” passa a ser “Meus pêsames”.

    — 3 weeks ago
    A provocação

    Apoio-me nas minhas mangas da camisa e me delibero com as lágrimas salinas. Haja tempo que não bagunçamos os jeitos de uns com os outros, mas, de repente, a lambança foi extraordinária. Os cacos enfeitam o frio da soleira e os laços são simples fios desnorteados pelo acaso. Porque tudo ficou obscuro? Eu aqui, você acolá… na verdade, nem o acolá eu sei onde estás. Tudo o que se deseja é um cheiro, um abraço, um afago. Se brincas comigo de pique-esconde, pegue seu escárnio e saia de fininho. Aqui o papo é reto e direto. Mas se os pensamentos são tão ingênuos ao ponto de os lábios se calarem e distanciarem, é a tentação das bobices que cometemos sob o pulsar de nossas vidas. Só resta rogar para as travessuras do destino não desatinar em fins trapaceiros.

    — 1 month ago
    Boas vindas da vida mudana

    *TOC TOC*
    Quem és?

    Bom dia num tímido veraneio
    e BUM
    olhos de ressaca entrelaçando o floreio
    no encontro atípico de
    solos carnavalescos
    para bailar com antigos
    companheiros

    *TOC TOC*
    Pode entrar

    Saudoso pé de samba
    e TIRICOTICO [do fuba]
    venha brindar a nossa euforia
    para cutucar a
    Risadaria
    em busca da nossa
    alegria

    *TOC TOC*
    Chega de cerimônias
    já es de casa

    Acalente esse frio rigoroso
    que um simples alvoroçoso de
    aperto de cintura
    desatina num
    sorriso revigoroso

    *Rangido de porta*
    Olha quem chegou

    Só continues a expandir a amizade
    já que a casa movimentada
    és uma data celebrada
    por minha estada
    de uma vida
    mudana

    — 3 months ago
    O trem e seu mistério

    O silvo de um antigo trem passava calorosamente de vila em vila. Um trem vermelho vistoso com a capacidade de enfrentar milhares de quilômetros sem perder as estribeiras, carregando consigo flashs de histórias e breves pensamentos em cada dos doze vagões. Poderia ser de vinte minutos, uma hora, sete horas ou perpassar por dias, os pedaços recortados dos momentos vivenciados pelas idas e vindas de seus passageiros que atreviam seguir a marcha do trem. Sempre seguia em uma mesma rota, de leste a oeste, onde se via o desviar de montanhas, as subidas e descidas de morros e até o voar do trem por rios, se não fosse seus enferrujados trilhos a lhe guiar pela ponte de madeira. Mas cada dia era uma nova surpresa, especialmente, quando uma aventureira segue esse trem dia após dia, recrutando esses momentos.

    — 8 months ago
    Sonhos no processo de reciclagem

    Vejamos o que és sonhar? Se não me falhas as sensações, é a cobiça de um momento extraordinário e particularmente seu, somente seu, sem nenhuma interferência externa que modifique o ambiente ilusório de seu bem-estar, prazer e felicidade. Porém, tantas fabulações não são simplesmente reunidas por acaso, elas tem um proposito real e concreto que por ventura ou desventura são atreladas as suas ações impulsivas (no seu inconsciente) e ao mesmo tempo compelidas (do seu consciente). São compelidas pelo medo do incerto, medo da perda e medo da falta. E seu objeto de desejo, normalmente, vem acompanhado por aconchegados, que alias, meu querido amigo, destroem o seu mundinho estruturado tão lindamente que manteve seu pontinho de paz, as vezes, sem saber ou de propósito e convenhamos, o de propósito é o mais chatinho. Eles não tem absoluta ideia do mal que provocaste em um ser tão inofensivo que queria nutrir um pouquinho de esperança. Essa esperança armazenada fortemente dentro da sua alma que não queres largar e, infelizmente, lhe faz sofrer. O jeito é desapegar e caminhar em frente… Continuar com o bom e velho sorrir e levantar a cabeça para o mundo com o olhar grande de devoração total dele, principalmente, para os novos aconchegados. E se permitir a encontrar uma nova esperança e ao futuro sonho agradável.

    — 10 months ago